FANDOM


Map of skyrim

Mapa da província de Skyrim

Skyrim é uma vasta região localizada na parte norte de Tamriel. É a terra natal dos Nórdicos, homens e mulheres grandes, resistentes e que possuem uma grande resistência ao frio, tanto natural como mágica. Faz fronteira com Morrowind a leste, Cyrodill ao sul, Hammerfell a sudoeste e High Rock a oeste. A ilha de Solstheim está localizada a nordeste de Skyrim.



HistóriaEditar

Era Merética (Merethic Era)Editar

Skyrim, também conhecida como o Antigo Reino ou A Terra dos Pais [1][2] é a terra natal dos Nórdicos e cenário em que se passa The Elder Scrolls V: Skyrim.

Expedição a Skyrim

Durante a Era Merethic, Atmorans chamavam a terra de Mereth, em reconhecimento ao vasto número de Mer que viviam nela. Foi a primeira região de Tamriel a ser habitada por humanos, que migraram para lá da terra de Atmora, no distante norte, do outro lado do Sea of Ghosts (Mar dos Fantasmas). De acordo com a lenda, Yshramor pousou inicialmente em Hsaarik Head, na ponta do extremo norte do Skyrim's Broken Cape (Cabo Quebrado de Skyrim). É dito que ele e seus companheiros estavam fugindo da guerra civil em Atmora, a qual naquele tempo tinha uma considerável população.[2]

Os Atmorans (atmorianos) se fixaram na área que no futuro seria conhecida como Winterhold (Hold); eles chamaram esta cidade Saarthal. Por um longo tempo, relações entre os Snow Elves (Elfos da Neve) e homens foram relativamente pacíficas.

Noite de Lágrimas

Contudo, os Snow Elves viram que os Nórdicos (Nords), com a expectativa de vida consideravelmente curta, altas taxas de amadurecimento físico e ciclo reprodutivo expediente (por Evilsh standards), os ultrapassariam se deixados incontrolados.

Naquele tempo, os homens eram vistos pelos Snow Elves como sendo primitivos e bestiais, e isto foi visto como uma não tão grande remissão moral parar a propagação de espécies invasivas e potencialmente desastrosas, as quais poderiam desestabilizar o ecossistema tamriélico. Contudo, havia uma teoria que aumentou a possibilidade de um ataque dos Snow Elves a Saarthal por outra razão. Os atmorianos descobriram alguma coisa debaixo da superfície, quando eles estavam construindo Saarthal. Os atmorianos tentaram manter em segredo o artefato que eles acharam, mas os Snow Elves descobriram. Assim, massacres élficos arrasaram a cidade de Saarthal. Este evento ficou conhecido como a Noite de Lágrimas.[3Somente Ysgramor e seus dois filhos sobreviveram e escaparam de volta para Atmora.

O Retorno

Quando Ysgramor e seus filhos retornaram a Atmora, eles contaram as histórias e eventos que aconteceram em Skyrim. As pessoas de Atmora choraram de tristeza e raiva, e gritaram vingança contra os Snow Elves; o povo estava unido com uma causa comum: a guerra contra os elfos. Além disso, vendo a paz tênue que foi desenvolvida entre as várias facções, Ysgramor reconheceu a oportunidade de transformar aquela situação difícil em um evento de união de força para a raça humana.

Dentro de poucos anos, Ysgramor retornou a Skyrim com um exército que ficou conhecido como "Os quinhentos companheiros", composto por herois da Guerra Civil Atmoriana (Atmoran Civil War)[2]. No Dia da Travessia Final, os 500 companheiros deixaram o porto de Jylkurfyk para retornar a Skyrim. [4]


Guerra entre Atmorianos e Elfos da Neve (Atmoran-Snow Elf War)

A guerra entre atmorianos e elfos da neve ocorreu na baixa Era Merética (Late Merethic Era). Uma batalha famosa, que ocorreu depois na guerra e culminou sendo o ponto de viragem para os atmorianos, foi a Batalha de Moesring (Battle of the Moesring). Durante a batalha, os atmorianos estavam vencendo e parecia que seriam vitoriosos, até a chegada do Príncipe da Neve (Snow Prince). Ele reagrupou e liderou suas forças em combate, inspirando as tropas dos remanescentes de Elfos da Neve. Alguns dos grandes herois nórdicos caíram ante o Príncipe da Neve, os quais incluem Ingjaldr White-Eye, Ulfgi Anvil-Hand, Strom the White, Freida Oaken-Wand e Heimdall the Frenzied.

O curso pareceu ter se voltado para os Elfos da Neve, até que o Príncipe da Neve marou Jofrior. Finna, que só tinha 20 anos de idade e filha de Jofrior, assistiu como sua mãe foi abatida pelo Príncipe da Neve. Em sua raiva e tristeza, Finna empunhou a espada de sua mãe e atirou-a no Príncipe da Neve, a qual atingiu-o no peito e o matou. A morte do Príncipe da Neve estilhaçou o moral e a motivação restante dos guerreiros élficos. Muitos elfos fugiram, e aqueles que premaneceram no campo de batalha foram mortos.

A guerra teria terminado cedo com expurgação da maioria dos Elfos da Neve de Skyrim e sua civilização seria destruída.Os 500 companheiros, sem muita resistência, impeliram os elfos para fora e foram condecorados com as fundações para a Dinastia de Ysgramor (Ysgramor Dynasty). [5] [6]

A Fundação de Whiterun

Depois da guerra contra os Snow Elves, os 500 companheiros decidiram se separar em grupos para encontrar seus lugares próprios na recém fundada terra. O grupo de Jorrvaskr, liderados por Jeek of the River, se aventuraram ao redor da nova terra até que foram de encontro a uma visão misteriosa, ainda que maravilhosa: "um monumento de um pássaro, cujos olhos e bicos estavam abertos em chama". Este monumento que seria mais tarde conhecido como a Skyforge, mais antiga que os Snow Elves. Este grande monumento era tão antigo como Nirn era e era "algum resto de esforços divinos para reproduzir um paraíso no Mundus antes do dilaceramento de Lorkhan." Uma cidade foi erguida ao redor de Jorrvaskr, e esta cidade era conhecida como Whiterun, com a área inicial ao reador que depois seria conhecida como Whiterun Hold.[7]

Fundação de Windhelm

Ysgramor e seu grupo viajaram para o leste, direcionando-se a Yngol Barrow, e depois de parar lá, os olhos de Ysgramor voltaram-se para o sul, onde um rio encontrava o mar. Ele decretou que ele e seu grupo construiriam uma grande cidade, em monumento às glórias da humanidade e então ele poderia olhar sobre o lugar de descanso final de seu filho e "sentir que esta linha conheceria paz neste novo lar que nunca foi conhecido em Atmora." A cidade foi construída com uma longa ponte ao longo do White River (Rio Branco), sendo a maior parte da cidade feita de pedra. Esta cidade seria conhecida como Windhelm, a Cidade dos Reis.[8]

Guerra dos Dragões

Aviso: não há muita informação quanto ao governo dos dragões e sua linha de tempo, a ciência sugere que o domínio dos dragões precedeu a grande onda de colonização atmoriana e há também pouca informação acerca da interação dos dragões com os Dwemer e Snow Elves e suas atividades fora de Skyrim ou do Moderno Skyrim.

"Quando a população se rebelou, os sacerdotes dos dragões retalharam. Quando os sacerdotes dos dragões não pudiam mais coletar o tributo ou controlar as massas, a resposta dos dragões foi rápida e burtal. Assim foi que começou a Guerra dos Dragões."
- The Dragon War, por Torhal Bjorik, no começo da Guerra dos Dragões.

Quando os atmorianos vieram a Skyrim, eles trouxeram com eles sua história e culutra, incluiindo sua religião. Sua religião focava na adoração de deuses animalescos, a deidade chefe era o Dragão. Como Dragões eram o governo supremo em Atmora, com Sacerdotes dos Dragões (Dragon Priests) sendo seus sub-líderes, que dominavam eles mesmos, o mesmo existiu em Tamriel.[9]

Em um tempo desconhecido, as pessoas de Skyrim e todos de Tamriel se rebelaram contra os Dragões. Primeiramente, pessoas morreram aos milhares.[9] Depois, Kyne, a deusa nórdica da tempestade, interveio para ajudar a humanidade. Ela deu a Paarthumax a tarefa de ensinar aos humanos a Voz (the Voice).[10]

A maré começou a virar em favor dos humanos, e eventualmente, Dragoes começaram a ser abatidos em grande números. A humanidade venceria a Guerra dos Dragões, com muitos dragões sendo mortos e o Culto dos Dragões (Dragon Cult) dispersando e se escondendo.

A Primeira Era

Segundo Século

Os Elfos da Neve persistiram dentro das fronteiras de Skyrim até o 13º reinado da Dinastia de Ysgramor, de Rei Heraldo (King Herald), no começo da Primeira Era. Rei Heraldo foi o primeiro a renunciar todos os feudos em Atmora (até aquele tempo, os nórdicos de Atmora e Skyrim eram considerados como sendo do mesmo grupo), proclamando que o povo de Skyrim era um povo independente.

Terceiro SéculoEditar

Vrage the Gifted começou a expansão que eventualmente lideraria a formação do Primeiro Império dos Homens (First Empire of Men). Dentro de 50 anos de seu reinado, os nórdicos governaram todo Skyrim bem como as partes de High Rock, Cyrodiil e as terras Dummer de Morrowind.[2] [11]  A aquisição de Morrowind foi particularmente sangrenta, ainda sendo este evento recordado em Morrowind.[2] O propósito da formação do reino Chimer-Dwemer de Resdayn (Chimer-Dwemer Kingdom) foi expulsar os nórdicos.[12][13]

Quarto SéculoEditar

O sistema que escolheu os sucessores do Império eventualmente provou ser sua própria ruína. Por um longo tempo a Moot, uma coleta dos senhores de muitos diferentes feudos, escolhia o sucessor do Império. Isto durou bem até a morte do Rei Borgas.[2]

Em 1E 369, High King Borgas morreu durante uma caçada selvagem. Sua morte ajudou a iniciar a Guerra de Sucessão de Skyrim (Skyrim's War of Succession).[2]

Quinto SéculoEditar

Primeira Batalha da Montanha Vermelha

Em 1E 416, os nórdicos foram expulsos de Morrowind durante a Primeira Batalha da Montanha Vermelha (a Segunda Batalha da Montanha Vermelha ocorreria em 1E 700 e não haveria nada o que se fazer com os nórdicos). Os nórdicos perderam todo seu território em Morrowind e seus exércitos sofreram uma perda desastrosa para as forças combinadas dos Chimer e dos Dwemer.

Término da Guerra de Sucessão

"Subjulgado o abominável dragão Numinex, Skyrim foi reunido depois da Guerra de Sucessão e conquistou o Reach dos bárbaros"
― Placa em Windhelm Palace of the Kings (Palácio dos Reis de Windhelm)

Em 1E 420, a Guerra de Sucessão de Skyrim terminou com o Pact of Chieftains (Pacto dos Chefes) e pela aclamação de Olaf One-Eye como o High King.[2] [14] [15]

Terceira EraEditar

Quinto SéculoEditar

No começo do Quinto Século da Terceira Era, a Oblivion Crisis (Crise de Oblivion) começou quando Mehrunes Dagon tentou entrar em Tamriel em sua "verdadeira e terrível forma". Os portões de Oblivion abriam-se em todo Tamriel, e uma guerra massiva entre mortais e Daedras explodiu. Embora a maior parte da luta se deu em Cyrodiil, vale lembrar que os portões de Oblivion se abriram por todo Tamriel.[16]

Quarta EraEditar

[src]

"Não dizimando a nenhum conde (thane) ou região (hold), e havendo autonomia de governo, com livre exercício do credo, com nenhuma compensação a Skyrim ou ao Império, exceto como na escritura de trégua antiga, estes pontos devem ser aplicados ainda aonde quer que seja, e doravante não permitir que homem ou elfo (Mer) diga que os Filhos e Filhas de Kyne não possuem misericórdia ou honra"
― Oferta de Skyrim de Solstheim a Morrowind em 4E 16

Primeiro SéculoEditar

Durante o Primeiro Século da Quarta Era, a Montanha Vermelha (Red Mountain) em Morrowidn entrou em erupção, o que causou uma ampla destruição e morte. Cidades foram destruídas, muitas pessoas morreram, com a maioria de Morrowind destruída. O evento ocorreu de 4E 5[17] a 4E 6.[18]

Em 4E 16 o Alto Rei (High King) de Skyrim deu a ilha de Solstheim para os Dunmer, oferecendo aos refugiados vindos de Morrowind um lugar para viverem.[19][20] . Quatro anos depois, em 4E 20, o Decreto do Monumento (Decree of Monument) foi assinado pelos Jarls (chefes) para "decretar este local como um monumento pela luta daqueles que fugiram de sua terra natal de Morrowind na época seguinte ao Ano Vermelho (Red Year)."[21]

Segundo SéculoEditar

Insurreição dos Perjúrios (Forsworn Uprising)Editar

Em 4E 174, um grupo de Reachmen (povos nativos da região chamada de Reach) lançaram uma insurreição na qual eles conseguiram tomar a cidade de Markarth. Este evento seria depois conhecido como "A Insurreição dos Perjúrios" (The Forsworn Uprising). Como o Império estava lutando contra o Terceiro Domínio Aldmeri (Third Aldmeri Dominion), em Cyrodiil, e com a Grande Guerra (Great War) ocorrendo, Markarth estava desprotegida e, desta forma, foi alvo fácil a um ataque aberto. Os Reachmen tomaram o controle de Markarth, dominaram a administração governamental e criaram um reino independente para a região Reach.[22]

Incidente de Markarth 

Dois anos depois, em 4E 176, o governo federal de Skyrim organizou uma força militar liderada por Ulfric Stormcloack, que foi retomar Markarth. O grupo militar eventualmente recuperou Markarth e expulsou os Reachmen restantes, que se rebelaram, para fora da cidade. Estes remanescentes dos Reachmen se tornaram os Perjúrios (Forsworn), que juraram vingança contra os nórdicos por ter-lhes roubado uma vida de independência.[22] [23]

Terceiro Século


"Quando os filhos de Skyrim derramariam seu próprio sangue."
―Esbern, descrevendo a Guerra Civil de Skyrim[src]
"O Devorador de Mundos desperta, e a Roda move-se sobre o Último Dragonborn..."
―Profecia do Dragonborn[src]
[1]The banners of the Imperial Legion and the Stormcloaks.

O Terceiro Século da Quarta Era em Skyrim foi um tempo para se estar vivo, porque os eventos nesta época ocorridos seriam relembrados por um longo tempo.[24] Em 4E 201, dois eventos ocorreram concomitantemente: a Guerra Civil de Skyrim (Skyrim Civil War) e a Crise Dracônica (Dragon Crisis). Durante este tempo, Skyrim e seus habitantes finalmente se revoltaram contra o Império e contra o Terceiro Domínio Aldmeri (Third Aldmeri Dominion). No começo da guerra, os feudos e as regiões (Holds) de Eastmarch, The Pale, The Rift e Winterhold Hold tiveram seu levante e se revoltaram contra o Império, enquanto o Império controlava Haafingar, Hjaalmarch, The Reach e Falkreath Hold. Whiterun Hold foi neutro na guerra e se recusou a juntar-se a qualquer um dos lados na guerra. Skyrim estava dividida, e a Guerra de Sucessão estava ocorrendo furiosamente.

Para complementar, a Crise Dracônica (Dragon Crisis) ocorreu, durante a qual os dragões retornaram a Tamriel. Nenhum dragão havia feito uma aparição em Tamriel há milhares de anjos. O primeiro dragão a aparecer novamente na Quarta Era, foi em Helgen, quando o dragão destruiu a cidade inteira e matou pessoas próximas a ele, exceto pelas pessoas dentro do forte e um "prisioneiro desconhecido".[25]

GeografiaEditar

Skyrim apresenta muitos tipos diferentes de terrenos, incluindo planícies de tundra, florestas, planaltos e regiões montanhosas. É a província mais acidentada do continente: contém os 5 maiores picos de Tamriel e também é muito nevosa e gelada. Somente nas regiões ocidentais é que há algumas terras planas, onde a maioria da população reside. O resto de Skyrim é vertical: montanhas, colinas e vales profundos. Uma variedade de safras são produzidas em Skyrim, desde trigo até morangos.

Vale notar que o clima particular de Skyrim faz dela a única região em Tamriel, fora as regiões mais ao norte de High Rock e Morrowind, habilitada para a preparação da infame bebida alcoólica conhecida como Nordic Mead (Hidromel Nórdico), também conhecida como "Rotgut" (Tripa podre). É por causa disso que, junto com a disponibilidade de certos ingredientes locais, que muitas vezes durante o processo de destilação, a substância deve ser submetida à temperaturas geladas ao extremo, para que possa congerar-se e recongelar-se. A bebida é notável pelo seu distinto gosto "gelado", semelhante a uma menta muito forte, que persiste como uma sensação de gelo no estômago, bem como pela natureza deletéria de seu conteúdo. Nordic Ale (Cerveja Nórdica) é considerada ilegal pelo Império, mas isto não reprime muitos proprietários de guardarem algumas garrafas para aqueles bravos o suficiente para tentar uma canecada.

Skyrim também ostenta algumas cavernas, grutas e vales. Uma das maiores cavernas de Skyrim era Blackreach, ou Fal Zhardum Din, em Dwemeris (língua), que é traduzido como "Regiões mais Negras do Reino".[26] Blackreach era uma caverna maciça que continha uma cidade, uma das que foram construídas pelos antigos Dwemer. Blackreach é teorizada de ter sido a capital do Império Dwemer, e estava conectada a outras 3 cidades Dwemer: Alftand, Raldbthar e Mzinchaleft. Esta caverna-cidade maciça era enorme, seu tamanho ultrapassava qualquer outra caverna ou rede de cavernas de Skyrim. Uma estonteante variedade de veias de minérios, flora, fauna e animais eram encontrados em Blackreach, muitos deles eram únicos daquela região.

FloraEditar

Um vasto número de tipos de flora é encontrado em Skyrim. Flora pode ser encontrada em qualquer lugar de Skyrim, mesmo na mais gelada, mais ventosa e mais árdua das localizações. Flora tal como Snowberries (Bagas da Neve) e Frost Mirriam são capazes de sobreviverem sob condições frias e árduas. Há 9 tipos de fungos que podem ser encontrados em Skyrim. Eles podem ser encontrados em cavernas, grutas e redes de cavernas debaixo da superfície de Skyrim.

Uma das floras curiosas e interessantes de Skyrim era a Nirnroot. Ela crescia perto de fungos e fontes de água, e dependia da água e da luz do sol para sobreviver. Esta planta rara era verde clara e emitia uma luz muito brilhante, bem como um som badalador. Nirnroot floresceu em Skyrim e em todo Tamriel até o evento conhecido como "Sun's Death" (Morte do Sol), ocorrido em 1E 668, o qual catastroficamente afetou quase todas as plantas, incluindo Nirnroot. Por depender de água e sol para sobreviver, após a Morte do Sol ocorrer, o ciclo normal de crescimento da Nirnroot foi interrompido pela carência de luz solar por um ano inteiro. A Crimson Nirnroot era uma variante da Nirnroot, que só crescia em Blackreach. Ela emitia um brilho e badalações como uma Nirnroot comum, mas sua cor natural era vermelha e poderia naturalmente reproduzir a si mesma. Em "Rain's Hand" (Mão da Chuva) de 4E 2, uma conferência aconteceu no Simpósio Alquímico (Symposium Alchemical). Durante a conferência, o Mestre Alquimista Sinderion fez uma palestra sobre a Ninroot, na qual ele apresentou as notas tomadas pelo herbalista Chivius Regelliam. Regelliam  desenvolveu uma teoria que afirmava que a Nirnroot estava entrando em evolução: a planta estava ganhando a habilidade de "preservar a si mesma". Quando a cinza vulcânica se misturou com o solo fértil de Cyrodill, a Nirnroot foi capaz de ganhar a mencionada habilidade. Sinderion apoiou esta teoria e forneceu evidências disso, e recomendou que fundos deveriam ser usados por um projeto de estudo da Nirnroot, de modo a salvá-la da extinção.[27] [28]

CapitaisEditar

Espalhadas pela paisagem acidentada de Skyrim há 5 cidades principais, bem como vilarejos e assentamentos. A presença de mais numerosas e pequenas cidades confere a terra um sentimento mais natural e mais rural do que o sentido na urbanizada Cyrodiil.

DawnstarEditar

[2]

Dawnstar.

Uma cidade de guardição na costa norte de Skyrim. Foi nomeada como capital da região Pale depois da destruição de uma fortaleza em Dawnstar, em 2E 283, quando Potentate Versidue-Shaie declarou lei marcial, levando a um dos mais brutais e sangrentos períodos da história de Tamriel. Dawnstar é uma das cidades mais ao norte, junto com Solitude e Winterhold.

FalkreathEditar

[3]Falkreath.

Uma cidade a sudoeste de Skyrim, capital da Região de Falkreath. Próxima a fronteira tanto com Cyrodiil como Hammerfell. Tão somente atravessando a fronteira com Hammerfell, se encontra a cidade de Elinhir. Falkreath é conhecida por seu cemitério, que domina a parte sul da cidade.


Boatos de lobisomens foram ouvidos em Falkreath

MarkarthEditar

"Nada nunca muda na Cidade de Pedra, e isto é bom."
― The City of Stone (A Cidade de Pedra)[src]
[4]Markarth.

Uma cidade no centro-oeste de Skyrim, a capital da região Reach (The Reach). Notável por possuir o Colégio Imperial da Voz (Imperial College of the Voice), que foi fundado por Tiber Septim para restaurar a Voz (The Voice) à arte da guerra. Metade da cidade é controlada pela rica família conhecida como os Silver-Bloods (Sangues de Prata), e a violência é feroz na maior parte da cidade por causa dos Perjúrios (Forsworn).

MorthalEditar

[5]Morthal

Uma cidade no centro-oeste de Skyrim, capital da região Hjaalmarch, próxima tanto à Ponte do Dragão (Dragon Bridge), como de Solitude. O mago, Falion, que pode curar Vampirismo (Vampirism) está localizado lá. O Jarl atual de Morthal é Jarl Idgrod Ravencrone.

RiftenEditar

[6]Riften.

Também conhecida como Rifton, capital da região Rift (The Rift), esta cidade está localizada a sudoeste de Skyrim, próxima às fronteiras de Cyrodiil e Morrowind. Lar da Guilda dos Ladrões (Thieves' Guild), foi em Riften que Barenziah juntou-se à Guilda durante seu retorno para Morrowind, do exílio em Skyrim. Maven Black-Briar é a pessoa mais influente em Riften, e tem tanto os guardas como o Jarl "em seus bolsos", bem como conexões com a Guilda dos Ladrões e a Irmandade Sombria (Dark Brotherhood).

SolitudeEditar

[7]Solitude.

Solitude é o centro da influência imperial dentro de Skyrim e capital da região de Haafingar. O Castelo Severo (Castle Dour) está localizado lá, de onde o General Tullius comanda a Legião Imperial (Imperial Legion). A realeza mora dentro do Palácio Azul (Blue Palace). Solitude está localizada ao norte da parte central do mapa. Lar do famoso Colégio dos Bardos (Bard's College), Haafingar é também um dos portos naturais e principais de Skyrim: navios acima e debaixo da costa podem ser encontrados lá em seus cais lotados, carregando madeira e bacalhau salgado para os mercados de Wayrest, Anvil e Senchal. Fundado durante o longo "flerte de Alessia" (vide: Alessian Empire), o Colégio dos Bardos continua a ostentar um feixe herético, e seus estudantes são famosos beberrões, apropriados o bastante para seu negócio escolhido. Estudantes anualmente invadem o comércio para uma semana de folia, o clima do qual é a queima do "Rei Olaf" (King Olaf), sob forma de efígie, possivelmente um "agora esquecido" contendedor  na Guerra de Sucessão (War of Succession). Graduandos não encontram problemas em conseguir emprego nas casas de nobras espalhadas em Tamriel, incluindo a Corte Imperial (Imperial Court) em Cyrodiil, mas muitos escolhem seguir nas pisaduras de ilustres alunos, tais como Callisos e Morachellis.

WhiterunEditar

"O Bairro das Planícies de Whiterun é lar  para as lojas da cidade e para o mercado, enquanto que o Bairro do Vento é majoritariamente um bairro residencial."
― Proventus Avenicci[src]
[8]Whiterun.

Uma cidade no centro de Skyrim e capital da região de Whiterun (Whiterun Hold). É um centro comercial de Skyrim. A jovem Barenziah, durante sua fuga, tomou abrigo lá por uma semana com seu jovem amante durante seu retorno a Mournhold. Esta região contém o feudo de Whiterun e High Hrothgar e foi uma vez referida como "A Cidade Imperial de Skyrim", antes de sofrer alguns atos de caos, incluindo uma contenda dinástica, ataques por bandidos Hörme e Frost Trolls, junto de uma série de invernos aniquiladores que alternavam inundações, secas e incêndios. Uma sacerdote auto-proclamada de Lorkhan, Jsashe, a Rainha Bruxa (Jsashe the Witch-Queen), controla o condado e a cova das bruxas locais. É interessante notar que a população local de gigantes aparenta usar a tundra como pasto

WindhelmEditar

[9]Windhelm.

Antes sendo capital do Primeiro Império (First Empire), atualmente é capital da região Eastmarch. O palácio da dinastia de Ysgramor ainda domina o centro da Cidade Antiga. Windhelm foi saqueada durante a Guerra de Sucessão, e novamente pelo exército Akaviri, de Ada'Soon Dir-Kamal;[2] o Palácio dos Reis (Palace of the Kings) é uma das poucas construções do Primeiro Império que restaram. Hoje, Windhelm permanece sozinha como uma considerável cidade, em contraste com a presença rural majoritaria na região de Eastmarch (Hold of Eastmarch), e serve de base para tropas imperias que quardam a Passagem Dunmeth (Dunmeth Pass) para Morrowind. 

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.